A melhor coisa que comi esta semana: noodles chineses do 1º Andar

IMG_0315

Quando trabalhava nos Restauradores, tinha de ir ao Martim Moniz para conseguir almoçar por menos de 10 euros. No eixo Avenida – Chiado ou se pagava mais ou se comia trampa.

Numa dessas incursões, olhei para a fachada do edifício do supermercado Hua Ta Li e vi uns cartazes na janela do 1º Andar, que vagamente anunciavam comida. Subi e hesitei. Do lado direito residia um cabeleireiro chinês cheio de adolescentes saídos do Dragon Ball; do lado esquerdo, uma porta sem sinalética.

Como acontece com outros restaurantes clandestinos da zona, o sítio era um apartamento reconvertido. Havia uma primeira sala privada, onde estava um grupo barulhento e mais à frente a sala principal ligava com a cozinha.

Os stalkers de clandestinos — uma fauna diversificada que junta hispsters, erasmus e outras pessoas que tomam banho dia sim dia não — não tinham ainda descoberto o restaurante. Debruçados sobre grandes tigelas fumegantes, só chineses da burguesia do Martim Moniz, todos alinhados do mesmo lado das mesas, as cabeças ora enfiadas no caldo ora espreitando o televisor.

Como eles, habituei-me àquilo. Durante semanas, meses, o 1º Andar tornou-se a minha cantina, um sítio onde se comiam os melhores noodles chineses da cidade, ao mesmo tempo a que se assistia a transmissões asiáticas e radicais dos jogos sem fronteiras.

De início não foi fácil. A atender estava um brasileiro grande que era vítima de bulling por parte de um cozinheiro chinês ainda maior. O chinês punha o brasileiro a estender a massa fresca dos noodles e forçava-o a servir às mesas e a limpar as casas de banho.

Esta discriminação estendia-se à clientela. Eu e o meu amigo Rui Pita, enorme designer gráfico da Time Out, o homem mais rápido do mundo a recortar e paginar pratos de comida, fomos repetidamente vítimas de racismo. Esperávamos infinitamente pelos nossos pedidos e chegava um chinês, sentava-se, e daí a dois minutos tinha o prato à frente.

Nós protestávamos, o brasileiro lamentava, mas a comunicação com as altas instâncias era difícil. O cozinheiro não percebia ou fazia que não percebia: barafustava, depois ria-se, depois voltava a servir antes de nós todos os chineses que estivessem na sala. Foi assim sempre e nós nunca desistimos de lá ir: por uma sopa daquelas podiam-nos pôr trinta mil chineses a sorver noodles ao ouvido e a espetarem-nos pauzinhos nos olhos. Aguentávamos tudo.

Este ano, deixei praticamente de almoçar na Baixa, mas regressei ao 1º Andar na semana passada, para matar saudades. Foi tão bom outra vez. O sítio está mais compostinho e parece quase um restaurante. Agora já não há só a carta em chinês e as pessoas até podem ver fotos dos pratos, que são muitos e variados.

Para mim, todavia, nada continua a bater a sopa de massa com entrecosto. O caldo tem sabor a ossos cozidos durante horas com gengibre e alho e outras coisas aromáticas. A couve chinesa é crocante e vem acompanhada de cebolo. O entrecosto é uma peça decadente de carne assada que se pode comer à colher. A massa de trigo é preparada na casa e tem um bom equilíbrio entre firmeza e elasticidade.

Para quem já ouviu falar de ramen, trata-se de uma versão suja, bruta, barata. E às vezes é mesmo isso que queremos.

Sorvam muito.

Preço 6€ | Restaurante 1º Andar | Martim Moniz (Lisboa)

 

Anúncios

A melhor coisa que comi esta semana: carne de porco à portuguesa d’A Castiça

Soube desta tasca no Lumiar, mesmo ao lado da Calçada de Carriche, esse ex-libris rodoviário, pelo Tiago Teixeira Cruz, espécie de relações públicas não-oficial da casa. O Tiago é um dos maiores especialistas mundiais em tascas de Lisboa e até tem um livro editado sobre o assunto. Mas no caso d’A Castiça filmou mesmo um filme, que podem ver aqui.

Fui lá num destes dias soalheiros e mal estacionei cheirou-me logo a sardinhas assadas. Vitor “Cantador” estava na grelha com uns óculos anti-fumo e eu achei aquilo muito inusitado e inteligente.

Par além das sardinhas, provei uma carne portuguesa absolutamente perfeita. Estava tudo certo, incluíndo o facto de não ter amêijoas do Vietname. As batatas fritas em cubos pequenos e estaladiços, a carne em rojões também pequenos e tenros, pickles abundantes, o molho puxadíssimo de banha, vinho branco, alho e louro. Não conheço outro país onde se faça algo do género e poucos no país já fazem assim. Comida tuga. Da boa.

Outras especialidades são as pataniscas com arroz de feijão, oleositas mas fofas e saborosas, e as iscas, finíssimas, com boa batata cozida e muito pickle de couve-flor a cortar a molhanga, um líquido bom para ensebar botas da Benedita. Não temos foto do prato porque o telemóvel extraviou-se com ela, mas temos a fachada do restaurante.

A melhor coisa que comi esta semana: espetadas de frango

Imagem

Preço 3,5€ | Restaurante Mesón de Tapas | El Corte Inglés (Lisboa)

IMG_8380

As verdadeiras barras de tapeo espanholas são a coisa mais parecida com um bar barulhento às quatro da manhã. Não há nenhum outro sítio onde as pessoas conversem tanto e tão alto como ao balcão de uma bodega ao final da tarde. Lamentavelmente, não temos cá nada disso.

A coisa mais aproximada  em Lisboa é a barra do El Corté Inglés. Nem tudo é bom, as senhoras de cabelo armado do Bairro Azul não têm o salero das guapas sevilhanas mas a carta é tentadora e há aquele frenesim de cañas a bater no balcão. Eu ia lá só para comer iscas do cachaço de bacalhau e salada russa com ventresca mas agora estou fã das espetadas de frango frito.

Todas as semanas juro não voltar a comer frango, mas há sempre um prato que me faz esquecer que o bicho é farinha com asas. É o caso deste. A pele é crocante, a carne tenra e suculenta e o molho denso e picante, excelente para ensopar patatas bravas.

 

A melhor coisa que comi esta semana: pizza Margherita DOP

IMG_8048

Preço 11,5€ | Restaurante ZeroZero | Parque das Nações

Conhecia apenas duas razões para ir comer ao Parque das Nações, o bairro menos gastronómico de Lisboa. A saber, o Butchers e a Oficina do Gelado. Ora, foi precisamente na ideia de me refrescar com um dos meus gelados de pistáchio preferidos, depois de assistir à prova de salto à vara feminino dos Mundiais de Londres, que larguei o sofá e a venezuelana Robeilys Peinado e fiz-me a Oriente.

transferir

Quando lá cheguei já a loja estava fechada, mas eis que o meu olho de glutão captou uma vidraça com pintarola gourmet mesmo do outro lado da Alameda dos Oceanos, em frente ao Casino Lisboa.

O que é aquilo?, disse para o meu mais novo, também ele grande apreciador de comezainas.

Chegando lá, percebi tudo. A Multifood voltara a atacar. Era a nova ZeroZero, irmã da pizzaria do Príncipe Real, mas com mais espaço e brilho. Logo à entrada, viam-se dois fornos ladeados por paredes forradas de lenha de azinho; no outro extremo uma cozinha aberta, magnífica; em frente, um bar de Prosseco e uma charcutaria.

img_8043.jpg

“Entramos?”, espicaçou-me o miúdo. Sempre.

Uma empregada guiou-nos e explicou que, embora ainda estivessem em modo de abertura suave (o mesmo que soft opening, rapaziada), já havia quórum. “No dia em que se anunciou nas redes sociais estivemos cheios, facturámos 7000 euros”, confessou. E não admira. Ao todo, a mega pizzaria tem 300 lugares sentados, boa parte deles na enorme esplanada com vista para o rio.

IMG_8040

A carta é idêntica à do ZeroZero do Príncipe Real. Escolhi a Margherita DOP, um portento só comparável à da Mercantina de Alvalade. Não há pizza mais rústica que esta e isso tem tudo a ver com a fermentação natural das farinhas (o poolish), que torna a massa mais saborosa. A passata de tomate é igualmente extraordinária, um puré ácido e doce perfumado de manjericão, domado pelo creme da Mozzarella di Bufala Campana DOP.

Uma coisa tão simples, uma coisa tão boa. Duas características raras no Parque das Nações.

A Melhor Coisa que Comi esta Semana: cabeça de atum-rabilho

Preço 9,5€ | Restaurante Rastilho | Barcarena |

A língua portuguesa (e não só) está cheia de expressões idiomáticas para achincalhar pessoas tontas. Desde cabeça de alho chocho, a cabeça de galinha, passando por cabeça de abóbora e de melancia, há todo um mundo animal de metáforas para diminuir intelectualmente uma pessoa.

A mais desadequada dessas expressões é cabeça de atum. O atum tem frequentemente uma cabeça grande e é um peixe conhecido por diversos talentos, o maior dos quais é dar-nos da melhor carne que há.

Prova disso foi o petisco que esta semana comi no Rastilho, um mimoso restaurante familiar em Barcarena. Veio para a mesa em forma de pequenos bifinhos de cabeça de atum, limpos de ossos e espinhas, ligeiramente braseados só com sal, e derretiam-se na boca de tão gordos, pequenas lascas a lembrar o-toro, da barriga do bicho.

Continuar a ler