ALFORRECA É FIXE

2013-07-08 15.50.31

Uma amiga minha contou-me que tem um namorado que tem um barco. Um barco decente, nove metros de comprimento, atracado em Oeiras. Problema um: ela enjoa. Problema dois: uma pessoa não pode fazer como o jet set no sul de França, que atraca o iate e mergulha no meio do mar.

– Vocês não imaginam. Chegamos ali a Cascais e a água está cheia de alforrecas!

E está mesmo e não é só em Cascais. Um pouco por todo o mundo, as alforrecas têm ganho aos peixes. Há quem diga que resistem melhor às águas ácidas e poluídas e as águas estão cada vez mais ácidas e poluídas; há quem diga que roubam o alimento que devia ir para os robalinhos e para as douradinhas. Em qualquer caso, proliferam e uma das melhores formas de travar a tendência é comê-las.

Em Maio passado, a Food and Agriculture Organization disse isto mesmo e lançou um apelo, logo a seguir à sua campanha insectívora, para que tratássemos de comer alforrecas, muitas. De imediato, por todo o mediterrâneo ouviu-se um bruáá de indignação. Não bastava o incentivo à dieta de larvas e de formigas. O pessoal do bife do lombo mostrou-se ofendido ou gracejante e acusou: a agência das Nações Unidas estava a tornar-se a Isabel Jonet das organizações internacionais.

Como no caso dos insectos, no entanto, o histerismo pareceu-me precipitado – e fui indagar. A luz veio da China. Muito previsivelmente, aquela rapaziada tem uns bons milénios disto; andávamos nós a assar pernas de carneiro na fogueira, entre espadeiradas aos mouros, e já eles cozinhavam alforreca ao vapor.

Abreviando.

Há notícias de que o mestre taoista Peng Zu, da dinastia Yin (1900 – 1066 a.C.), deliciava-se com alforrecas. Diz a lenda que viveu até aos 400 anos, o que parece suportar (e até ultrapassar, vamos lá…) o panegírico nutricional presente na literatura científica alfarroquenha. As medusas têm proteínas boas, muitos antioxidantes, colagéneo com fartura (bom para ossos e tendões) e zero colesterol.

16

Hoje em dia, a espécie rhopilema esculenta é produzida em grandes áreas de aquacultura na China, mas também na Austrália e na Namíbia – e exportada para todo o mundo. Como se sabe, frequentemente, o sentido de “exportada para todo o mundo” exclui Portugal. Como venho aprendendo, também frequentemente, excluir Portugal não significa excluir o Martim Moniz.

O supermercado Hua Ta Li vende alforreca pré-cozinhada e embalada e é provavelmente aí que o restaurante Yum Cha, em Oeiras, se vai abastecer.

Naturalmente, adquiri já o meu exemplar, mas antes de lhe mexer fui ao Yum Cha. Do menu consta uma clássica combinação tailandesa, em salada fria: malaguetas frescas, coentros frescos, cebolinha, lima e, provavelmente, molho de peixe. A alforreca surgiu transparente, em tiras, sem um sabor bem definido. A consistência era parecida com a dos tendões de vaca, cartilaginosa, divertida de trincar – bom para acompanhar com uma cerveja fresca no Verão.

Em conclusão,  a alforreca não mete medo a ninguém, como seria de esperar. Ao pé de do odor fecal de umas tripas enfarinhadas, por exemplo, é como gomas para crianças.

4 thoughts on “ALFORRECA É FIXE

  1. Belo post. Gosto também de partir do princípio de que, se alguém come em alguma parte do mundo, é capaz de ser fixe. Nunca provei alforreca, nem quando vivi na China (pelo menos que eu saiba, porque enfim…) mas fiquei curiosa.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s