Pitango Gelato

Sempre que alguém nos sugere um sítio esse sítio perde – vá lá — 10 por cento do encanto. Pode ser o melhor restaurante onde já alguma vez havemos de comer, pode ser a maior pechincha das nossas vidas. Mas não fomos nós que o descobrimos. E descobrir é fixe.

Talvez, por isso, um dos melhores momentos gastronómicos da viagem a Washington DC tenha sido a Pitango Gelato.

Já estávamos no último dia da estadia e eu ia do Newseum para o Museu do Crime (ambos bem interessantes, por sinal), a subir a Rua 7 em direcção a Chinatown. Na porta da loja, vidrada, estava um artigo do Washington Post, que elogiava os produtos usados: leite fresco, vacas de pasto da Pensilvânia, ovos de galinhas criadas ao ar livre — tudo muito organic e sustentável.

Uma vez lá dentro, perguntei ao senhor o que recomendava e o senhor não deu a resposta que os senhores dão em 43 por cento das vezes (“depende”, segundo contas rigorosas feitas por mim agora mesmo).

Cream e Pistáchio”

Assim, sem hesitações.

Cinco dólares e meio, um copinho com dois sabores. Mal dei a primeira colherada, percebi a textura cremosa mas densa (bem diferente da dos gelados, com maior concentração de gordura láctea mas menos elasticidade). Depois, aquilo entrou na boca e há um momento em que, tenho quase a certeza, fechei os olhos.

Nunca um pistáchio saberá tão bem como aquele sorvete de pistáchio. Mesmo admitindo que venha de Bronte, na Sicília, e diz que vem. Não tem comparação. Quem dera ao pistáchio.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s